pH-metria esofágica o que é?

É um exame laboratorial que tem por objetivo quantificar o refluxo ácido e relacionar os episódios de refluxos ácidos gastroesofágicos com os sintomas apresentados pelo paciente. Este exame é solicitado pelo médico quando existe a suspeita ou quando se necessita estudar a Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE). É um exame feito com anestesia local, necessita de jejum e deve se suspender o uso de alguns medicamentos que comprovadamente tem influência no resultado do exame. As medicações devem seguir o seguinte: 1)Suspender sete dias antes os IBPs (omeprazol, Lanzoprazol, Pantoprazol, esomeprazol e o rabeprazol). 2) Suspender por 48 h antes os antagonistas dos receptores H2 ( cimetidina, ranitidina e nizatidina ) 3)Suspender por 24 h antes os procinéticos ( metoclopramida, domperidona e bromoprida ). Quando for avaliar a eficácia do tratamento medicamentoso o exame deve ser realizado sem a suspensão das medicações.

Como é realizado?

Primeiro se faz a anestesia local da narina com lidocaína 2% em forma de gel. Após se realiza a localização do esfíncter inferior do esôfago (EIE) através do localizador de EIE ou se utiliza a manometria esofágica realizada previamente. Quando temos a localização do (EIE) introduzimos um fino cateter de silicone com um ou dois eletrodos já calibrados antecipadamente pela narina anestesiada posicionando o cateter para iniciar o exame, utilizamos adesivos adequados para fixação do cateter ao corpo do paciente. O paciente ficará com esta sonda introduzida pela narina, conectada a um aparelho portátil (gravador), por cerca de 24 horas. É fornecido ao paciente um diário, no qual este possa registrar os horários das suas refeições (qualquer comida, bebida ou balas), os horários em que estiver deitado ou dormindo, correlacionando-os com seus sintomas. Durante este exame o paciente deve, na medida do possível, realizar todas as suas atividades diárias (todas as rotinas normais) para que o resultado deste seja o mais preciso. A ingestão alimentar deve ser irrestrita.

Necessita de jejum e Cuidados?

Sim. Necessita de jejum. Solicitamos também que no dia do exame o paciente compareça com camisa com abertura de botões (facilita a instalação do cateter). Os cuidados são : 1) Suspender as medicações conforme acima descrito. 2) O paciente não deverá tomar banho no período de exame, mas deve fazer a higiene pessoal íntima conforme orientação. 3) Cuidados com o gravador conforme orientação.

Quando é indicado?

a) Pacientes com sintomas sugestivos de DRGE que não apresentam esofagite ao estudo endoscópico (esta representa cerca de até 60% dos casos da afecção, denominado de: Refluxo Gastroesofágico sem Esofagite).

b) Caracterização da posição preferencial de refluxo, para auxiliar na orientação terapêutica a ser empregada. Os portadores de refluxo patológico do tipo ortostático (refluidores em pé – grande maioria sem esofagite e os episódios ocorrem mais no período pós-prandial) são, em geral, mais facilmente controlados com medidas clinicas usuais que os portadores de refluxo do tipo supino (refluidores deitados – esofagite moderada) ou combinado (refluidores combinados ou bi posicionais – esofagite mais complicada) que tendem, mais freqüentemente, a necessitar de medidas de maior impacto (orientação postural drogas mais potentes e / ou tratamento cirúrgico).

c) Esclarecimento da relação existente entre os sintomas apresentados pelo paciente e a ocorrência de refluxo gastroesofágico. Muitas vezes, existem dúvidas quanto à relação dos sintomas apresentados pelo paciente e a ocorrência de refluxo gastroesofágico. Sobretudo em pacientes que apresentam muitos sintomas e poucas alterações endoscópicas, e em pacientes que apresentam manifestações extraesofágicas da DRGE (dor torácica não-cardíaca, sintomas respiratórios não explicados por outras causas e manifestações otorrinolaringológicas do refluxo).

d) Avaliação da eficiência dos tratamentos clinico ou cirúrgico do refluxo (principalmente no estudo de recidiva dos sintomas após tratamento cirúrgico deste). A pH-metria propicia que seja avaliada, de modo mais objetivo, a real eficiência do procedimento terapêutico especifico. Pode haver recidiva dos sintomas mais em decorrência de eventual distúrbio de percepção visceral que de refluxo propriamente dito. Alguns pacientes queixam-se de sensação de refluxo e efetivamente apresentamrefluxo gastroesofágico associado com os sintomas, contudo, apresentam refluxo em níveis fisiológicos. Pacientes com tal situação são caracterizados como portadores de refluxo fisiológico sintomático e requerem abordagem terapêutica diferenciada.

Quem realiza esse exame?

O exame é realizado por médico, especialista em doenças do aparelho digestório, ou áreas afins, que tenha realizado curso de certificação em pH-metria e motilidade digestiva.

Clique aqui e confira o preparo que deve ser feito para a realização do exame.